sábado, setembro 16, 2017

POESIA POIS É

Matéria sobre poesia no link abaixo que destaca poetas contemporâneos e menciona a produção dos Haicais Carimbados, serie de poemas visuais criada por Diego Petrarca. Segue o link:

http://jornaldopovo.com.br/site/blogs/485/258121/Para_gostar_de_ler_Poesia_contemporanea.html








quarta-feira, agosto 30, 2017

LETRA E MÚSICA NA ABL



O poeta e filósofo carioca Antônio Cícero foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras no dia 10 de agosto de 2017.  Cícero escreveu livros de filosofia (ensaios, crítica) e poesia, os eixos centrais da sua atividade intelectual e artística. É, sobretudo, um poeta. No entanto, antes mesmo de publicar seu primeiro livro de poesia, Antonio Cícero afirmou-se como poeta através das suas letras de música ao lado da sua irmã Marina Lima a partir dos anos 70.

De lá pra cá a parceria rendeu inúmeras canções que emplacaram sucessos como Fullgás, Charme do Mundo, Pra Começar. A canção O último romântico (com Lulu Santos), obteve grande repercussão, além de canções gravadas por Caetano Veloso e Maria Bethânia.
Nos anos 90, a poesia de Antônio Cícero virou canção pelos acordes de Adriana Calcanhotto e João Bosco. Em 1996 publica o volume Guardar, que reunia em seu repertório poemas inéditos e letras desamparadas da música.

Para Cícero é clara a diferença entre um poema cantado e uma poesia escrita, enquanto a letra da canção é heterotélica, isto é, não possui fim em si própria,  pois está condicionada a força e adequação da canção, o poema do livro é autotélico: vale por si e exige do poeta toda sua concentração, repertório, experiência e imaginação.

Esse fato é novidade na ABL, tendo este imortal veiculado boa parte da sua produção poética em outro território artístico paralelamente a publicação de livros. Será o eco do Nobel de literatura Dylan Zimmermann? É interessante reconhecer que desse modo a poesia firma sua base através da oralidade e na música (desde sua origem) do que  apenas no modelo livresco que normalmente consagra  e autoriza o poeta a ser poeta.

Cícero assim dimensionou sua poesia para fora da zona da página. Outros poetas do Brasil também desenvolveram  parte da sua produção poética na MPB e aproximaram disco e livro pra veiculação do discurso poético. É animador que essa prática seja reconhecida pelos órgãos renomados da cultura literária, ressaltando que a criação poética pode ser cultuada por outros parâmetros renovando o gosto de sua apreciação.


segunda-feira, agosto 07, 2017

BOCA SEM BEIJO

O poema Boca sem beijo, do livro Tudo Figura, foi lido pela escritora Cristina Macedo no programa Tons & Letras da FM Cultura, apresentado por Luis Dill.

goo.gl/XNvJxw
Copy short URL



sábado, julho 29, 2017

PREFÁCIO

Novo livro do escritor Lucas Bonez, Antes da última queda, lançado recentemente e prefaciado por Diego Petrarca, segue o trecho do texto dessa apresentação na contracapa. Poesia com frescor de nova lira romântica em pleno século 21.  



sexta-feira, julho 28, 2017

POESIA NA ESCOLA

A poeta e compositora Delma Gonçalves na Escola Irmão Miguel Dario durante a semana de palestras sobre a Cultura Negra no RS. Atividade organizada pelos professores Diego Petrarca e Rafael Saraiva. Um pouco da sua trajetória poética em livro e canção compartilhado num bate papo e leitura de seus poemas com os alunos.


domingo, junho 25, 2017

POSSE POÉTICA

Posse de Beatriz Balzan Barbisan na Academia Literária Castro Alves, Diego Petrarca foi seu padrinho na cerimônia, a escritora lançou seu livro Fios Entrelaçados em 2016, prefaciado por Diego Petrarca que também ministrou oficinas literárias onde Beatriz frequentou e de algum modo desencadeou toda sua força poética há tempo já reconhecida.








terça-feira, junho 06, 2017

50 ANOS

Junho de 1967 era lançado o disco histórico que mudou os rumos da música mundial. A ideia do disco-conceito. Disco obra de arte. Transgressão e invenção e letras experimentais. Ecoou aqui via Tropicália. Uma obra prima

Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band cinquentenário.



MEMÓRIA DA LUA

O poema Memória da lua, do livro Tudo Figura, foi lido pela escritora Cristina Macedo no programa Tons & Letras da FM Cultura, apresentado por Luis Dill.

https://is.gd/fUp0ur


terça-feira, abril 18, 2017

POEMA RESENHA

O poema Resenha, do livro Tudo Figura, foi lindamente lido pela escritora Cristina Macedo no programa Tons & Letras da FM Cultura. Apresentado por Luis Dill.

https://is.gd/T5qiAV


sexta-feira, março 31, 2017

segunda-feira, março 06, 2017

VÃO PASSANDO OS ANOS E EU NÃO TE PERDI

Passeio na Zona Sul 
Na Rua Pedro de Oliveira Bitencourt 
Bairro Tristeza
& Alice me acompanha
também

E com direito a trilha sonora.

video



quarta-feira, janeiro 11, 2017

RETRÔ 2016

Embora o ano de 2016 tenha se revelado tenebroso em alguns aspectos (talvez não seja exatamente o ano mas a coincidência de que alguns amargores tenham desaguado nesse ano) seguem aqui uma síntese do que me ocorreu nesse período em que se consagra o terceiro ano da primeira fase do quinto tempo. Mapeamento subjetivo. 

O ano começou acompanhado o desenvolvimento e crescimento da nossa Alice, e depois a comemoração do seu 1 aniversário em novembro com um piquenique no Parque Germânia, (dia 11 de dezembro) com as famílias e a presença de amigos queridos e um poema chamado Alice Ri lido em coro por todos para brindar a aniversariante bebê. Esse ano de 2016 aprendi (aprendemos) muitas coisas ao perceber a Alice crescer, todos os detalhes, rituais, rotina e concentração que a condição de pai/mãe exige. Com certeza tivemos Andreia e eu serenidade, foco e fôlego para estar presente e cumprir as tarefas (que soam também como diversão e algum prazer) e acompanhar a Alice se desenvolver. Foi importante termos a consciência disso tudo.

Destaque para a ida habitual para o nosso litoral, as duas vezes ao lado do nosso amigo irmão Rodrigo Abrahão, o clima de mar e vento nos reabasteceu e deu a energia necessária para seguir 2016, além de  poder apresentar o mar para a Alice. Sempre embalado pelo disco Banda do Mar (da banda luso-brasileira composta por Marcelo Camelo, Mallu Magalhães e Fred Ferreira) lançado em 2014, essas canções me serviram de mantras espirituais e fecharam em muitos aspectos com a temática do que percebo como desejo nessa fase da vida. Uma trilha sonora onde idealizei projetos e possibilidades em parte cumpridas ou plenamente possíveis. As letras e as canções serviam de pano de fundo para a projeção daquelas propostas lançadas nesse disco.

Infelizmente no ano de 2016 se pode ver a arbitrariedade política e visíveis desrespeitos a coisas que já tínhamos como conquistas democráticas, um ano onde a intolerância ficou no limite por algumas circunstâncias em que jamais pensamos assistir. Um ano onde a Cultura e a educação balançaram seus alicerces  pela péssima orientação pelas quais elas foram submetidas.  Pelo menos não faltaram atitudes e reações. Evoé Sapere Aude! Evoé Palavraria livros!

Destaque para a leitura de poemas do livro Olhos da Noite de Paulo Ohar, numa das edições do Sarau das Seis. Também as aulas de Literatura, Português e Redação na escola em que leciono, e uma boa sensação de pertencimento durante a rotina e o convívio na escola e no diálogo com os alunos. A série de poemas Haicais Carimbados  ao longo do ano, um modo de projetar a poesia em outro suporte e outra forma gráfica de expor o poema: palavras simples combinando potências de significado encravado no cotidiano e aguçado pelo percepção, não apenas prática literária mas treino espiritual.  O prefácio para o livros de ex alunos (salve Domingos e Auber e Nagel) de oficinas literárias (leituras durantes esses lançamentos), a colaboração na compilação de poemas para a intervenção Cultura pela Democracia, a participação com poesia em mais uma edição do projeto Cidade Poesia.  As assessorias literárias, a produção do belo livro de contos Moinho Velho, de Maria Elizabeth Knopf e as leituras durante o lançamento no MEME Santo de Casa. O bate papo em edição única no Salão de Beleza Shape com a escritora Ana Mello e as leituras de seus escritos. A oficina literária Poesia de Uma Linha durante a Feira do Livro além da leitura e apresentação do livro Poema Sujo - 40 anos, do poeta Ferreira Gullar (também uma apresentação com outro formato do mesmo livro no espaço Aldeia em julho). E Ferreira Gullar  partiu também nesse ano e já bastou para que 2016 fosse um ano ruim de digerir. A partida de Gullar me teve um peso enorme dada sua importância para a  minha formação poética. Colaborei com o programa de rádio online Ligações Perigosas que rodou algumas leituras de poemas de Gullar para homenageá-lo. O grito de apoio da comunidade cultural a favor da TVE e FM Cultura lá no MEME. Novas leituras obre a Senhora Poesia, o belo e fundamental livro com as entrevistas de Allen Ginsberg: Mente Espontânea! A voz de Maria Bethânia e a canção de João Donato e Péricles Cavalcanti.Os poemas de Francisco Alvim e as Memórias Sentimentais de Oswald de Andrade. E no fim do ano a redescoberta da Shangrilá de Rita Lee. A produção de poemas novos, novas formas visuais e de elaboração poética esboçando um novo livro por enquanto chamado de Carnaval Subjetivo. Novos projetos poéticos estão na pauta para 2017.

2016 foi um ano para aprender a respirar e onde alguns aspectos vitais se solidificaram, um ano de perceber que o passo dado adiante na vida agora pede e abre espaço. Deus me livre de ter medo agora/Depois que eu já me joguei no mundo/Deus me livre de ter medo agora/Depois que eu já pus os pés no fundo. Ano em que a serenidade reaprendeu a dialogar com a paz de espírito dentro aqui. Que seja e siga assim. 

Minha caravela/vai seguindo o rumo, ê.  

Que venha Bem 2017!





domingo, dezembro 04, 2016

FERREIRA GULLAR É IMORTAL

Ferreira Gullar é imortal!
Ferreira Gullar é imortal!
Ferreira Gullar é imortal!


sábado, novembro 19, 2016

1 ANO DA ALICE


18 de novembro, dia do 1 ano da Alice, só mesmo a poesia pra celebrar.

Eu quero ir
com Alice
lá dentro de uma nuvem cheia
que nunca chove

Eu quero ir
com Alice
lá onde o tempo
só serve pra voar

e onde o sol só desce
pra tomar banho de mar

Eu quero ir 
com Alice
lá onde a estrela
namora o passarinho

e onde é privilégio
se sentir sozinho

Eu quero ir
com Alice
lá onde os anjos
criam as aparências

e onde só exista Deus
nas coincidências

Com Alice
eu quero ir
eu quero rir

quinta-feira, novembro 03, 2016

POEMA SUJO NA FEIRA DO LIVRO

Poema Sujo, 40 anos de publicação. Dia 02/11 na Feira do Livro de Porto Alegre. Leituras, explanações e a celebração desse livro marco da poesia contemporânea escrito por Ferreira Gullar num momento de puro êxtase poético. Com Diego PetrarcaAndreia Laimer e Rodrigo Abrahão.














terça-feira, novembro 01, 2016

OFICINA LITERÁRIA NA FEIRA DO LIVRO

Encontro de uma única aula durante a Feira do Livro 2016, Poesia de Uma Linha ministrada por Diego Petrarca. Poemas regidos pela brevidade e máxima concisão abrindo inúmeras camadas de sentido.